“UFOS, ESTAMOS SOZINHOS?”

“UFOS, ESTAMOS SOZINHOS?”

 


            Será que só existe vida inteligente na Terra?

            Será que estamos sozinhos em meio a incontáveis universos?

            Parece que não. Baseado em fatos reais.

            Venha viajar comigo por outros mundos...

 

            “Os átomos de hidrogênio emitem luzes a níveis de energia específica.

Estas energias são determinadas pela Constante de Estrutura Fina.

Fine-Structure Constant = 0.0072973525667(17).

O FSC é um misterioso número que aparece em muitos cálculos da física fundamental do nosso universo. Mas não temos ideia de onde ele vem.

A atmosfera, as estrelas, o ar que respiramos, até nossos cadarços de sapatos tem uma composição atômica que inclui este número enigmático. É um conceito matemático que seria reconhecido em qualquer lugar do universo.

Em 1974, Frank Drake, Carl Sagan e muitos outros cientistas enviaram mensagem de Arecibo  para o espaço. Ela continha matemática básica e outras informações destinadas a estabelecer contato com outra vida no universo. Eles direcionaram tal mensagem para o aglomerado de estrelas M13 e ficaram na expectativa de uma resposta. Porém, esta mensagem levaria 22.800 anos para atingir M13 ou contatar alguém neste aglomerado de estrelas. A “expectativa era de alguém pelo caminho interceptar tal mensagem e vir até nós primeiro para estabelecer contato...”

Com esta introdução e baseado em fatos reais, foi lançado em 2018 o filme “Ufo, estamos sozinhos?” O título do filme nos faz refletir sobre o tema e nos deixa sedentos de respostas para as nossas infinitas perguntas.

A história é baseada nas experiências de Derek Echevaro, um atleta e estudante brilhante que havia ganhado olimpíadas em seu país e, através de bolsa de estudo, chega a Universidade de Cincinnati, em Ohio, EUA ingressando no curso de ciências matemáticas. Aos nove anos de idade, Derek havia tido contato com aparição de um OVNI em sua cidade natal. Naquela ocasião avistou uma grande nave em forma circular que emitia luzes coloridas e de imenso brilho, paralisando o jovem. Sua mãe, percebendo o acontecimento, corre em direção do filho, fazendo-o voltar a realidade, saindo daquele transe. Vozes, murmúrios e ruídos parecidos com ondas de rádio incompreensíveis inundavam os ouvidos e mente do jovem.

Apesar da vida de estudante de uma grande universidade tomar todo o seu tempo, Derek não esquecera o acontecido e pesquisava sobre seu contato e outros contatos e avistamentos que ocorriam no mundo, principalmente, nos EUA.

Porém, no dia 17 de Outubro de 2017, no Aeroporto Internacional Nothern no Kentucky, EUA, aconteceria um avistamento onde várias pessoas no aeroporto puderam testemunhar. Um jovem que aguardava o embarque chamou a atenção dos outros passageiros, pois sobre o céu do aeroporto surgia um

ovni se mostrando por alguns segundos e logo depois desaparecendo. A torre de comando atônica, troca informações via rádio com outros funcionários do aeroporto, principalmente com os encarregados das pistas pela aterrissagem e decolagem das aeronaves comerciais, pois tinham uma visão ampla do céu.

Inclusive um dos mecânicos da pista consegue observar a chegada e a partida da nave extraterrestre e comunica a torre, posteriormente o faz, aos seus superiores. Quando a notícia da aparição foi veiculada pela imprensa local, um verdadeiro exército de agentes do FBI chega imediatamente ao aeroporto assumindo o controle de tudo e de todos. Ai começa o que sempre eles fazem. Distorção e camuflagem dos fatos. Notícias confusas e relatos preparados visando desacreditar o ocorrido foram criados e veiculados pelo comandante da operação no aeroporto através daqueles que havia anteriormente dado a imprensa seu relato verdadeiro. Todos os funcionários foram “entrevistados” pelo staff do FBI e proibidos de comentar o fato com qualquer pessoa, incluindo seus familiares.

Derek toma conhecimento do fato através da impressa e começa a investigar por conta própria, pois a aparição da nave extraterrestre tinha semelhança com seu caso. Com suas investigações e estudos, chama a atenção do FBI que passa a segui-lo e vigiá-lo. Quando isso acontece, um simples celular é grampeado e tudo ou todos que você comunica-se, passam a ser suspeitos na visão do FBI.

Mas a grande questão e o interesse do comando do FBI estavam diretamente envolvidos com a possibilidade de comunicação deixada pelos extraterrestres na mensagem de rádio trocada pela torre de comendo e outros funcionários do aeroporto. O FBI tem conhecimento referente ao número enigmático da Constante de Estrutura Fina, do trabalho iniciado em 1974 por Carl Sagan e Frank Drake e principalmente referente a mensagem enviada a M13 com a possibilidade de interceptação por alguma civilização avançada do cosmos. Possui um dossiê completo de contatos cujo os integrantes de tais ovnis deixam mensagens enigmáticas nas comunicações de rádios entre humanos, porém que ninguém conseguiu ainda decifrar.

Mas, Derek chega a essa decifração apesar da situação em que se metera. De tão ligado em descobrir a verdade, ele se torna obcecado e conta com a reprovação da namorada, dos amigos e até mesmo de sua professora na faculdade. Na tal mensagem deixadas pelos visitantes do espaço na comunicação da torre de comando do aeroporto, eles haviam inserido  coordenadas da sua próxima aparição. E o porque disto? Certamente haviam interceptado a mensagem enviada do Radiotelescópio de Arecibo em Porto Rico pelos nossos cientistas em 1974. Conhecedores de tal mensagem, eles tentavam entrar em contato conosco através de códigos inserido em comunicações nossas e sabiam que a melhor oportunidade era aparecendo e interferindo em comunicações dos vários aeroportos de nosso mundo. Se conseguíssemos decifrar tais coordenadas ou códigos, eles saberiam que tínhamos chegado a um nível razoável de evolução na qual eles poderiam manter contato.

Por ironia do destino, a mesma professora que desaprova a conduta de Derek e até o impede de entrar na sala para fazer uma de suas provas, devido o mesmo ter chegado atrasado, é que decifra o enigma. Numa madrugada, Derek liga para sua professora e pede a ela que o receba em sua casa. Apesar de titubear e saber que aquela visita poderia trazer-lhe problema, ela concorda e abre a porta de entrada de sua casa para seu compenetrado e mais inteligente aluno. Os dois discutem sobre os números contidos na mensagem decifrada por Derek tentando chegar a um proposito ou decifrar o enigma. Porém, ambos cansados, se dão por vencidos.

De volta para casa Derek tenta ainda chegar a um denominador comum multiplicando, dividindo e procurando formulas que continha estes números. Já em seu quarto, ele descobre que tais números lembravam ou estavam inseridos na frequência do átomo de hidrogênio. Esta descoberta o deixou mais confuso e desesperado. Assim ele adormece no sofá coberto por papeis e livros sem achar a solução para o seu problema.

No dia seguinte, mais uma vez atrasado, Derek chega a sala de aula da universidade e apesar do olhar fulminante de sua professora, acomoda-se em uma das cadeiras de frente para o palco onde aera exibido a aula do dia.

Enquanto isso, o comande da operação do FBI no aeroporto, se reuni com vários estudiosos para tentar decifrar o porque que o número da Constante de Estrutura Fina aparecia em tais mensagens. A lista de contatos ou mensagens sob o poder do FBI era imensa e todas apareciam o enigmático número. Apesar de todos os esforços, nenhuma conclusão haviam chegado, principalmente por haver nestas mensagens outros tantos números incompreensíveis para nossa atual evolução.

Mas, eis que na sala de aula, Derek e sua professora achariam o fio da meada.

Eu não vou descrever a cena aqui, pois é emocionante quando a Drª Hendricks (a professora interpretada pela fabulosa Gilliam Anderson) faz conhecer ao seu mais brilhante aluno Derek Echevaro (Alex Sharp) as coordenadas da próxima aparição da nave, contidas na comunicação de rádio da torre. Quando inicia sua aula sobre formulas aplicadas, principalmente, no hidrogênio neutro que tem um cumprimento de ondas de 21cm, ela chama a atenção de Derek e o faz intender os números de tal mensagem e o que os mesmos queriam informar e decifra o enigma.

As cenas seguem até que Derek consegue ver e filmar o ovni por alguns segundos. Parecia que a nave o aguardava no local indicado pelas coordenadas deixadas na mensagem do radio da torre do aeroporto.

O final é igualmente emocionante por mostrar que, apesar das críticas na época, tanto Carl Sagan e Frank Drake tinha razão em ter enviado a mensagem em 1974, mesmo sabendo que 28.800 anos depois, M13 já teria mudado de coordenadas, mas, como sonhavam, alguém interceptou tal mensagem e veio até nós.

Abordei aqui pequenas partes do filme “Ufo, estamos sozinhos?” para descrever um fato real de contato. Tenho o filme e quem quiser conferir é só enviar-me uma mensagem que eu disponibilizarei. Mas, por favor, não enviem mensagem que eu tenha que decifrar... rsrs















Sou o que se pode chamar de escritor independente. Um homem que gosta de juntar letras, formar palavras e construir textos que tentam traduzir gestos, olhares ou sorrisos. Tenho quatro livros de poesias publicados, quatro antologias e alguns concursos vencidos. Sou coeditor do Jornal Alecrim voltado totalmente para cultura e artes. Além de poeta, sou escritor, artesão e artista plástico.

 





Comentários

Postar um comentário

Preferidas do Público

DIA DO AMIGO

TURISMO - FONTE JUDITH

GIRO PELO MUNDO - COM RENATO GALVÃO

TURISMO E NATUREZA