Stanislav Petrov - Um herói anônimo que salvou o mundo

 

Estamos acostumados a ver no cinema super-heróis combatendo criminosos, defendendo cidades de ataques terroristas e até mesmo defendendo nosso planeta contra as invasões alienígenas. São super-homens com seus super poderes ou trajando seus uniformes e apetrechos que lhes dão outros tantos poderes, transformando-os em seres importantes que vivem acima da humanidade. Mas, um verdadeiro herói prefere ficar no anonimato mesmo tendo desempenhado papel importantíssimo tomando decisões que, na vida real e sem efeitos especiais, salvou vidas não permitindo que uma catástrofe nuclear fosse iniciada e que provavelmente destruiria parte ou totalmente nosso mundo. 

Stanislav Petrov nasceu em Vladivostok em 7 de setembro de 1939. Seu pai, Yevgraf, era piloto de caças, atuou na Segunda Guerra Mundial e sua mãe enfermeira. Em 1972, formou-se na Faculdade de Engenharia da Força Aérea Russa, visando seu ingresso na Força Aérea de seu país seguindo os passos de seu pai. Logo que se alistou, passou a designar o papel de organizador e supervisor do recém lançado sistema de alerta antecipado destinado a detectar possíveis ameaças de misseis balísticos.

Como Tenente-Coronel, Stanislav Petrov, estava lotado como oficial do dia na vila militar perto de Kurilovo em Moscovo, local do centro de controle ocidental para os satélites russos, denominado bunker Serpukhov-15 no dia 26 de setembro de 1983 em plena Guerra Fria. Na ocasião, os soviéticos haviam atingindo um avião Boeing 747 sul-coreano, derrubando e matando 269 pessoas abordo e aumentando a tensão mundial que já era extremamente forte e muito próximo de uma guerra. As tarefas de Stanislav consistiam, primordialmente, na observação da rede de alerta preventivo por satélites e notificar aos seus superiores qualquer anormalidade, principalmente se tais anormalidades, envolvessem ataques com mísseis nucleares contra a Rússia. Caso esta ocorrência fosse verdadeira, imediatamente uma retaliação seria disparada, pois esta era a estratégia Soviética de contra-ataque, visando pagar com a mesma moeda do ataque do inimigo que, na época, era principalmente os EUA de acordo com a doutrina da Destruição Mútua Assegurada (1).

Então, pouco após da meia-noite, os computadores do bunker indicaram que um míssil lançado pelos EUA estava a caminho da União Soviética. Havia dúvidas quanto a veracidade de tal lançamento já que, provavelmente, o inimigo (EUA) não lançaria apenas um míssil se quisesse realmente atacar ou destruir os Russos, concluir num raciocínio lógico o Tenente-Coronel Stanislav Petrov. Sabia-se que não havia confiança no sistema por satélite que fora questionada por inúmeras vezes. Por isso, Stanislav, tomou a decisão de considerar como alarme falso, concluindo não haver qualquer ameaça a sua nação naquela noite. Diante de seus inseguros e apavorados colegas, ele tomou a decisão certa.  

Para a sorte do mundo, Stanislav Petrov era o único oficial naquela sala diante dos monitores que tinha formação civil. Todos os outros eram simplesmente soldados “ensinados a dar e obedecer a ordens”, como disse Stanislav anos depois e, certamente, relatariam os dados acusados pelos satélites, sem um raciocínio lógico, aos seus superiores.

Porém, alguns minutos depois da feliz decisão de Stanislav, os computadores emitiram vários alertas acusando outros quatro mísseis. O Tenente-coronel Petrov continuou seguindo sua linha de raciocínio analisando tais alertas. Petrov manteve sua calma e raciocínio, embora não tivesse fontes de informações para confirmar suas suspeitas de que a falha no sistema estaria enviando relatórios errados. Se ele estivesse errado nas suas conclusões e até que o radar terrestre dos Russos pudesse detectar tais mísseis, seria muito tarde para lançar qualquer retaliação e a destruição seria eminente. Certamente Petrov vivia um momento difícil diante daqueles computadores, ainda mais com a pressão da crise (Guerra Fria) que passava o mundo naquela época, onde qualquer acontecimento poderia deflagar uma guerra entre as duas nações mais armadas de nosso mundo. Porém, Petrov decidiu confiar em sua intuição, declarando que tal alerta era uma falha, um alarme falso. Fato comprovado segundos depois, pois nada acontecera de anormal.

Por incrível que possa parecer, naquela noite, não estava agendado para Petrov prestar serviço naquele setor. E assim, se não estivesse lá, certamente, um outro oficial estaria no comando e tomaria decisão contraria e aí, minha gente, só Deus sabe o que poderia acontecer com o mundo.

Algumas analises e testes foram feitas nos computadores e no novo satélite e a conclusão final foi de que o alarme fora provocado realmente por uma falha do satélite que havia considerado o reflexo da luz solar em nuvens como lançamento de mísseis contra a União Soviética.

Mesmo tendo evitado um desastre nuclear, Petrov sofreu intenso questionamento de seus superiores. O exército Soviético alegou que ele desobedecera e desafiara as ordens contidas no protocolo militar. Seus superiores o classificaram como um oficial militar não confiável. Aparentemente o exército russo não o puniu, porém deixou de reconhecê-lo e honrá-lo.

Na verdade, a atitude e ações racionais de Petrov, mostraram ou confirmaram as imperfeições de um sistema de defesa militar soviético. Tal falha comprovara que o alto escalão militar defensores da Rússia, haviam investido uma quantia alta num sistema falho e capaz de confundir-se com raios do sol refletido em nuvens.

Embora declarassem que não haviam punido Petrov, o comando aplicou-lhe uma advertência por ter oficialmente arquivado impropriamente o acontecido naquela noite. Seus superiores o rebaixaram para um posto inferior e por fim foi retirado do serviço militar.

Por longos anos tudo fora mantido em segredo. Em 1998, um de seus comandantes, relata o caso a um certo ativista político alemão que assim faz o mundo conhecer a história de Stanislav Petrov no final da década de 90.

Em 2004, a Association Of Word Citizens, reconhecendo seu heroísmo ao evitar uma catástrofe nuclear, outorgo-lhe o prêmio World Citizen Award e a quantia de US$ 1.000,00. Em 2012, Petrov recebeu um Prêmio Alemão de Imprensa. O mesmo fora também dado a Nelson Mandela, Dalai Lama e a Kofi Annan. Em 2014 um documentário estrelado por kevin Costner baseado na vida militar de Stanislav Petrov foi ao ar com o título “O homem que salvou o mundo”.

 

Sequencias dos acontecimentos segundo Stanislav Petrov ao responder perguntas sobre o incidente:

 

“À minha frente estava um painel brilhante, com letras vermelhas, dizendo que o computador tinha detectado sinal de mísseis.

Olhei para a minha equipe e percebi que eles estavam em pânico.

Os homens a minha volta foram ensinados a dar e obedecer a ordens.

Olhei para o painel de novo e ainda dizia que o míssil tinha sido lançado e que a probabilidade de ataque era 100%, e, para um computador, prever uma probabilidade de 100% é simplesmente impossível.

O número deveria ser um pouco menor, haviam 28 ou 29 níveis de segurança no sistema e, depois de o alvo ser identificado, teria de passar por todos esses pontos de segurança. Então aquilo era inacreditável. Isso foi o grande motivo da minha dúvida.

Se os americanos tivessem mesmo decidido lançar um primeiro ataque, teriam enviado mais de cinco mísseis.

Eu tinha que pensar rapidamente. Cada segundo era crucial para a resposta militar da União Soviética. Eu sabia também que ninguém seria capaz de corrigir o meu erro se eu estivesse errado.

Liguei para meus superiores e disse que o alarme era falso. Nesse mesmo instante, o alarme tocou de novo e veio um novo aviso vermelho. Eu ainda estava falando com eles e disse que havia um novo alerta, mas que também o considerava falso.

Eles aceitaram o que eu disse e desligaram. Logo a seguir, chegou um terceiro alerta informando que havia mais um míssil a caminho, depois outro, e mais outro. E então, chega uma outra mensagem afirmando um ataque de mísseis.

Não queria ser o responsável pelo início da Terceira Guerra Mundial.

Tive que manter tudo em segredo, não pude contar nada nem à minha mulher, só lhe contei 10 anos depois. Vocês deveriam ter visto a cara dela!

Não acho que tenha feito algo extraordinário, era apenas um homem a fazer o seu trabalho de forma correta. Era o meu trabalho".

Stanislav Petrov morreu em Fryazino, União Soviética aos 77 anos no dia 19 de maio de 2017 devido à uma pneumonia; silenciosamente como havia salvo nosso mundo em 26 de setembro de 1983.

 

“Estava no lugar certo, na hora certa” - Stanislav Petrov

Graças a Deus!


Fontes: Wikipédia e Zap

Texto e Pesquisa: 

 Renato Galvão

Artista Plástico, Escritor e "Dublê de Colunista"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



[1] Uma doutrina de estratégia militar onde o uso maciço de armas nucleares por um dos lados iria efetivamente resultar na destruição de ambos, atacante e defensor. É baseada na teoria da intimidação da qual o desenvolvimento de armas cada vez mais poderosas é essencial para impedir que o inimigo use as mesmas armas. (Estratégia desumana e completamente imbecil - Nota do Colunista)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Destaque do mês

OUMUAMUA - UM MENSAGEIRO QUE VEIO DE LONGE

Crédito da imagem European Southern Observatory  M. Kornmesse Oumuamua foi o nome dado a um objeto interestelar descoberto vagando pelo noss...

Preferidas do Público