Ficção e Realidade: Supersoldados Americanos

Foto / Sony Pictures Releasing CIS - Foto Reprodução
Homens de ferro, Capitães América e outros super heróis da ficção cientifica, podem se tornar realidade até 2050 de acordo com projetos engendrados pelos Estados Unidos e China paralelamente. Não que essas duas nações rivais tenham se juntado para realizar suas pesquisas e feitos, e sim por uma corrida armamentistas, criando soldados híbridos (humanos/máquinas/ Inteligência Artificial) para um possível confronto entre eles ou contra aqueles que julgam inimigos.




Recentemente o Centro Químico-Biológico de Desenvolvimento de Capacidade de Combate do Comando do Exercito dos Estados Unidos, divulgou um relatório detalhado informando como o campo cibernético pode transformar até 2050 soldados (humanos) “ciberneticamente aprimorados”. Intitulado “Soldados Ciborgue 2050”, o relatório aponta que “... o principal objetivo deste trabalho é determinar o potencial de dispositivos fisicamente integrados no corpo humano para aumentar e melhorar o desempenho dos seres humanos nos próximos 30 anos”. Logicamente, essa chamada melhoria de desempenho de seres humanos, não será para nós, reles integrantes da população mundial. Estes estudos e aprimoramentos, são destinados a criação de super soldados voltados para guerra, o próprio relatório deixa isto explicito.


Robocop - Foto Reprodução

O intuito da “divisão cientifica do exercito americano”, uma divisão especial do “Centro Químico e Biológico”, é focado em criação de armas biológicas e químicas e tem seus estudos e metas criar um hibrido humano/máquina para o Departamento de Defesa Americano.

Diz o relatório textualmente: “...O principal objetivo desse esforço era determinar o potencial de máquinas que são fisicamente integradas no corpo humano para aumentar e melhorar a performance de seres humanos nos próximos 30 anos...” e que “... Na mídia, literatura e cinema popular, o uso de máquinas para aumentar a condição da espécie humana recebeu uma narrativa distorcida e distópica em nome do entretenimento...”, mas que os “... Líderes de defesa devem entender que essas percepções publicas serão implementadas...”. Bem, está dado o recado.



Imagem Getty - Foto Reprodução
Dificilmente se poderá prever qual o resultado que se colherá com o chamado aprimoramento cibernético que é uma tecnologia avançada que transformara humanos em super soldados, unindo estes a inteligência Artificial e máquinas. É bom informar que o Pentágono é um órgão que recebe maior verba nos Estados Unidos, essa verba chega a ser três vezes mais que a recebida anualmente pela Nasa. Interessante...



Os estudos e pesquisas do Pentágono querem aprimorar ciberneticamente a visão, capacidade auditiva, força muscular e “aperfeiçoamento e reforço neural do cérebro humano para transferência bidirecional de dados”, ou seja, o soldado controlará máquinas e será controlado por elas.


Visão

O relatório, informa que com a visão aprimorada permitirá ao soldado ver através de campos de batalhas em distancias variadas de alcance “... em meio urbano denso ou em megacidades subterrâneas (?) que dificultam a identificação de alvos (ou inimigo?) ...”. Segundo os pesquisadores, o aprimoramento visual do soldado é delicado devido que a cirurgia nos olhos para implantar os mecanismos é de grande risco. Devido aos riscos que a maioria dos aperfeiçoamentos impõe ao soldado, cirurgias e implantes, só poderão ser concretizados, quando o soldado for ferido (ou morto?) no campo de batalha (Robocop?), e acrescenta “... Melhoria ocular pode ser uma opção médica atraente em situações onde os tecidos dos olhos foram prejudicados ou destruídos por ferimento... é improvável que indivíduos estejam dispostos a passar pela remoção de tecido saudável numa área considerada tão sensível. Mas o papel central e crítico que a visão tem na sociedade provavelmente vai motivar combatentes que perderam parte ou toda a visão a passar voluntariamente por cirurgia para restaurar ou melhorar sua habilidade de ver...”.



Foto Sputnik CCO - Reprodução

Força Muscular

Segundo o relatório, “... ferimentos osteomusculares são a segunda causa principal de perda de tempo de serviço nas Forças Armadas dos Estados Unidos...”. os estudos e pesquisas pretendem recuperar estes soldados lesionados com implantação de “sistemas de controle osteomusculares optogenéticos... O uso mais provável seria a restauração de funções perdidas devido a ferimentos nos músculos ou nervos...”. E como seria essa restauração? O Pentágono nos diz: “... uma rede de sensores implantados sob a pele que entregam estímulo ortogenético através de pulsos programados de luz...” e “... O controlador optogenético tomaria o controle dos movimentos dos membros de um combatente, permitindo que um novato (na prática de guerrear) realize funções profissionalmente (torne-se uma máquina de guerra) ...”. Ou seja, minha gente, utilizando pulsos de luz ao invés de eletricidade, os chamados “optogenéticos” podem estimular tecidos musculares e até mesmo neurônios. 


Tem mais, não acabou não...

Na realidade o que aconteceria com o corpo “... teria uma variedade de sensores ópticos implantados sob a pele nas áreas do corpo que precisam ser controladas. Esses sensores poderiam se manifestar como fios óticos finos que são colocados em intervalos regulares de músculos críticos e feixes de nervos, e são ligados a uma área de controle pensada (quartel-general?) para estimular cada nódulo apenas quando o músculo acima é necessário...”. O relatório acrescenta a informação que “... isso permitirá aos soldados feridos (ou acometidos de forte cansaço), retornarem ao campo de batalha

cdn-3.expansion.mx - Foto Reptodução
com músculos revigorados através dos chamados “músculos cibernéticos” com desempenho e força melhor que a própria carne, ou seja, de um humano normal.  Este mesmo sistema cibernético implantado nos soldados, também poderá controlar ferramentas externas, como drones e armas que não estariam ligados diretamente ao corpo dos soldados ou ainda, permitir que estes sejam controlados por outro soldado (comandante?) remotamente.




Capacidade Auditiva

O relatório divulgado aborda também o aperfeiçoamento da capacidade auditiva dos soldados agregando a estes “ouvidos cibernéticos”, permitindo o aumento da capacidade de percepção e o acesso a novas habilidades. O mesmo documento informa que os avanços nessa área não melhorarão apenas a capacidade auditiva do soldado, mas também permitirá “... conversão e transmissão desses sinais para outros a determinadas distâncias...”. Ou seja, os soldados usarão seus ouvidos cibernéticos para contactar redes de comunicação e voz que serão apenas identificadas e usadas por eles. Assim diz o Pentágono: “... Eletrodos com interface direta com caminhos neurais podem ser implantados com procedimentos cirúrgicos menores e podem  ser removidos com efeitos colaterais mínimos...”.



Interface entre cérebro humano e máquinas  

Segue o relatório informando que a “Agencia de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA”), já vem trabalhando nesta tecnologia há uns bons anos testando com sucesso “chips de memória protéticos

Armamento Tanque robotizado - foto Reprodução
” e que o intuito é aprimorar ciberneticamente a ligação direta entre o cérebro humano as máquinas. Os estudos estão voltados para que soldados com implantes neurais ligados a uma matriz possam controlar as máquinas ou serem controlados mutuamente, ou seja, teremos soldados controlando maquinas (guerra?) e também sendo controlados por máquinas. E o Pentágono informa: “...O aperfeiçoamento não implica o simples controle do equipamento pelo usuário (de cérebro para máquina), mas também a transmissão ao operador (da máquina para o cérebro), ou entre humanos (dinâmica de comando e controle), para melhorar o conhecimento da situação. Isso acontece ao mesmo tempo que a informação computacional, analítica e humana de um drone é transmitida ao operador...”.



Sapador russo ao lado de um sistema robótico Uran-6
Sputnik / Sergei Pivovarov - foto Reprodução

Qual a conclusão que se chega depois do aqui exposto? Teremos um soldado robotizado com super audição e visão, músculos ciberneticamente fortes se comunicando e controlando máquinas, controlado pela máquina do comando militar. E o que poderá fazer este verdadeiro “Robocop”? Controlar armas avançadas, drones militares carregados com misseis e até mesmo controlar misseis nucleares fazendo-os retornarem para os lugares de onde partiram ou direcionando-os para outros pontos inimigos.






Prezados leitores, quando os EUA vêm a público informar sobre seus avanços militares, principalmente e se tratando de estudos patrocinados pelo Pentágono, é que já concluíram suas metas e que muito provavelmente, já as estão colocando em prática.  Países como China e Rússia já possuem mecanismos robotizados para o uso em guerras. Lembram da bomba atômica? Enquanto o mundo pensava que era só testes, o resultado caiu sobre Hiroshima e Nagasaki. Hoje qualquer nação “fundo de quintal” possui seu próprio míssil nuclear. Quem poderá garantir que não possuam seus mecanismos de guerra ou seus soldados robotizados? Que Deus nos guarde!



Tanque de Guerra sem piloto -  Foto / Rosoboronexpor - Reprodução
“O roto falando do esfarrapado”

Recentemente John Ratcliffe, Diretor de Inteligência Nacional dos EUA, veio a publico informar que os EUA têm conhecimento que a China está fazendo testes biológicos em seus soldados na tentativa de aumentar suas habilidades, tornando-os super soldados. Meu caro John, e o que é que vocês americanos estão fazendo?

 

 



Elon Musk
Elon Musk, fundador do PayPal CEO da fabricante dos veículos Tesla Motors e da empresa aeroespacial Spacex

“... é considerado um dos principais protagonistas da inovação. Luta através de suas empresas para acelerar a transição às energias renováveis e quer transformar a raça humana em uma espécie multiplanetária. Mas no que se refere à inteligência artificial, acredita que é preciso pisar no freio...”

“... A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL AMEAÇA A EXISTÊNCIA DA NOSSA CIVILIZAÇÃO... ATÉ QUE AS PESSOAS NÃO VEJAM ROBÔS MATANDO GENTE NA RUA, SE ENTENDERÃO OS PERIGOS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL...”

 

 

Fontes:

https://br.sputniknews.com/defesa/2019121014874398-exercito-dos-eua-esta-desenvolvendo-supersoldados-com-capacidades-extraordinarias/

https://www.vice.com/pt/article/xwee47/o-plano-aterrorizante-do-pentagono-de-criar-supersoldados-ciborgues

Comentários

Postar um comentário