A Constelação de Órion - Nebulosas e Galáxias - Episódio III

Nebulosa de Órion
Nebulosas

Na direção da Constelação de Órion existe uma grande concentração de nuvens moleculares formando o que os astrônomos denominam de Complexo de Nuvens Moleculares de Órion. Este complexo é constituído por nebulosas e nebulosas escuras. Nebulosas são nuvens de gás e poeira entre as estrelas, são viveiros ativos e cemitérios de estrelas ao mesmo tempo. São iluminadas pelas estrelas que elas contêm ou por estrelas próximas que ficam localizadas por traz das nuvens que compõem as nebulosas. Já as Nebulosas Escuras são formadas por nuvens de poeira e gases frios que não emitem qualquer tipo de luz visível, escondendo as estrelas que elas têm. O Complexo de Nuvens Moleculares de Órion também abriga estrelas recém formadas que interagem entre si. É composto principalmente por hidrogênio, é responsável pelo material a partir do qual formam novas estrelas. Vários complexos de nuvens moleculares figuram na Via Láctea, porém este é o mais próximo de nosso Sistema Solar, distante 1500 anos-luz. Este mesmo braço espiral da galáxia que abriga a Via Láctea, estende-se por quase toda a Constelação de Órion.

 Nebulosa Escura Cabeça de Cavalo
Localizada no asterismo (em astrologia: significa conjunto de estrelas que apresenta uma forma definida) da Espada de Órion, uma região menor, desperta um interesse especial. Ao sul do Cinturão de Órion a Nebulosa de Órion (Messier 42) se faz presente. Trata-se de uma nebulosa com maior brilho que possibilita sua observação a olho nu com aparência de mancha em torno da estrela Theta1, em condições naturais, céu limpo e sem poluição luminosa. O brilho da referida nebulosa é proporcionado por uma zona de formação estelar com aproximados 20 anos-luz de extensão. Este brilho é proporcionado pelas estrelas massivas e jovem recém nascidas que ionizam e iluminam os compostos de gases ao seu redor. Está fabulosa Nebulosa de Órion fica situada a 1350 anos-luz de nosso planeta. Estrelas localizadas no Aglomerado do Trapézio nas proximidades, constituem outra porção da Nebulosa de Órion, mais ou menos a norte de seu centro. A Constelação de Órion também abriga a Nebulosa de Reflexão M78, região onde formam novas estrelas a 1400 anos-luz de nós que pode ser observadas em nossos céus devido a reflexão da luz do sistema estelar triplo HD38563.


Complexo de Nuvens Moleculares de Órion


A oeste da Constelação de Órion você encontra localizada o Loop de Barnard, uma complexa Nebulosa de Emissão que se distingui facilmente pelo seu formato em semicírculo. O brilho emitido por essa nebulosa é de responsabilidade do gás hidrogênio ionizado pela radiação emanada por estrelas nas proximidades. Devido a expulsão dos gases por estrelas energéticas, forma-se a aparência desta nebulosa como se fora uma bolha.

Nuvens Moleculares
Três Marias ao Centro
Existente em torno de Meissa, outra nuvem molecular de Órion, encontra-se o que os astrônomos denominaram de Anel de Lambda Orionis com seu diâmetro aproximado de mais 150 anos luz. Uma curiosidade nesta nebulosa é que sua iluminação e brilho provém da imensa energia irradiada por uma gigante azul. Não se sabe bem a origem desta nebulosa, estima-se que está tenha se formado devido ao material remanescente da formação de Meissa e suas companheiras ou remanescente de uma supernova que explodiu nas proximidades.

Mas, bem próximo de Alnitak, uma das estrelas que formam as Três Marias, existe uma grande concentração de nebulosas brilhantes e escuras. Umas das mais notáveis é a Nebulosa Cabeça de Cavalo, uma nebulosa composta por nuvens escuras que se projetam e criam uma imagem ou uma sombra ou silhueta em frente da Nebulosa de Emissão que conta com a iluminação proporcionada pela estrela Sigma Orionis. Com 18 anos-luz de comprimento, a Nebulosa Cabeça de Cavalo conta com 01 ano-luz de extensão. As nebulosas escuras interagem com o meio interestelar e favorecem o nascimento de estrelas de menor massas.  



Nebulosa da Chama

A leste de Alnitak está a Nebulosa da Chama, outra nebulosa de emissão com faixas visualmente escuras e opacas ao longo de sua extensão. No entanto, observações em infravermelho mostram intensa atividade de formação estelar. Embora visualmente próxima a Alnitak, a Nebulosa da Chama está a cerca de 1500 anos-luz, muito atrás da estrela. Próximo ao conjunto está também NGC 2023, uma nebulosa de reflexão que apresenta uma coloração azulada. isto porque uma estrela azul está envolvida em uma espessa camada de gás e poeira, mas, mesmo assim, sua luminosidade é suficientemente forte para atravessar a nebulosidade e ser refletida pelas partículas que a compõem.

Outra nebulosa notável em Órion é a NGC 1999, que é iluminada pela estrela azul V380 Orionis, no centro da nebulosa. A característica mais notável, entretanto, é uma cavidade em sua região central, possivelmente criada por jatos emanado da estrela. No meio da nebulosa estão presentes também objetos Herbig-Haro (são pequenas áreas de nebulosidade associados a estrelas recém nascidas, formadas quando o gás ejetado pelas estrelas jovens colide com nuvens de gás próximas a velocidades de milhares de km/s), que estão associados à formação de novas estrelas, quando a protoestrela passa a absorver os gases ao seu redor. No entanto, parte dos gases é arremessada em jatos perpendiculares ao disco de acreção, criando ondas de choque no interior da nebulosa. Outra Nebulosa de Órion notável é a NGC 2022, uma nebulosa planetária resultante do falecimento de uma estrela igual ao nosso Sol, com um formato esferoide alongado, com extensão de cerca de um ano-luz e localizada a cerca de 5000 mil anos-luz da Terra.

Nebulosas de Emissão


Galáxias Elíptica e Seyfert - Distante 107 milhões de Anos-luz - Divulgação


Galáxia Espiral Barrada - Distante 117 Milhões de Anos-luz - Divulgação

Galáxias

A Constelação de Órion, apesar do grande número de nebulosas, mostra-nos também galáxias distantes perfeitamente visíveis na constelação. Entre essas, inclui-se   a Galáxia Elíptica (tipo de galáxia com uma forma aproximadamente elipsoidal e uma imagem suave e quase sem traços característicos), uma Galáxia Seyfert (Galáxias espirais que possuem núcleos extremamente pequenos e muito luminosos, contribuindo com metade da luminosidade da galáxia na faixa do visível, sendo classificadas como uma galáxia ativa) que possui um núcleo muito mais ativo do que as galáxias comuns, situada cerca de 107 milhões de anos-luz. Ainda temos a Galáxia Espiral Barrada (é uma galáxia espiral com uma banda central de estrelas brilhantes, que se estendem de um lado a outro da galáxia), distante, aproximadamente, 117 milhões de anos-luz.


Chuva de Meteoros (Oriônidas) - Mídea Bahia - Divulgação
Chuvas de Meteoros

Denominada Oriônidas pelos astrônomos, trata-se de uma chuva de meteoros cujo radiante (ponto de onde parecem surgir os meteoros) localiza-se na porção noroeste da Constelação de Órion, próximo ao limite da Constelação de Gêmeos. Meteoros provenientes desta chuva são visíveis, principalmente, em outubro com pico os dias 20 e 21 deste mês. Mas, já se notou picos também no dia 24 do referido mês. Devido a Constelação de Órion situar-se nas proximidades do equador celeste, meteoros Oriônidas são visíveis claramente no hemisfério norte quanto no hemisfério sul. A observação ao longo da história indica uma taxa horária zenital de cerca de 25 meteoros, ou seja, são visíveis em média 25 meteoros a cada hora em excelentes condições. Meteoros de Oriônidas são o resultado da passagem da Terra pelos detritos deixados pelo cometa Halley, assim como a chuva de meteoros Eta Aquáridas (são chuvas de meteoros no radiante localizado na Constelação de Aquarius, atingindo a atmosfera a cerca de 66 km/s, os meteoros produzem riscos longos, rápidos e brilhantes no céu.

Toda essa beleza, com exceção apenas das Galáxias citadas, é visível aos nossos olhos de simples mortais durante o ano todo, principalmente, nos meses de dezembro e janeiro. E a cada vez que contemplamos o brilho das Três Marias, o sistema mais iluminado da Constelação de Órion, constatamos a grande obra universal do Criador. Nesta Galáxia que vivemos, onde está abrigada a Via Láctea e consequentemente, nosso Sistema Solar, são 80 belíssimas constelações engendradas pelo amor do verdadeiro e único Criador. Agora, imaginem, quantas maravilhas foram criadas, mas que os olhos humanos ainda não podem admirar. É extremamente indescritível o amor que Deus nos dedicou, nos dedica e nos dedicara por toda a eternidade. Infelizmente ainda não correspondemos a esse grande amor...

No Episódio IV, abordaremos Curiosidades e Lendas, um capítulo que nos mostrará histórias tragicômicas envolvendo deuses e personagens humanos. Encerraremos, no Episódio Final, com todas as informações sobre a estrela Betelgeuse (Estrela que forma o quadrilátero brilhante em torno das Três Marias) que tem seus dias contados. Acompanhem...


Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Gal%C3%A1xia_el%C3%ADptica

https://midiabahia.com.br/chuva-de-meteoros-podera-ser-vista-em-todo-o-brasil-na-madrugada-desta-sexta-feira/

https://www.google.com/search?q=NEBULOSA+DA+EMISS%C3%83O&sxsrf=ALeKk03N8pdxfwi58eq5P7DoUGLMEj_U8Q:1612546061772&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=HaKOaOdf97yCKM%252CcA-GtzIUTXOI3M%252C%252Fm%252F017lzp&vet=1&usg=AI4_-kQE-rojtkcX9etyC5aLylm7cnpGNQ&sa=X&ved=2ahUKEwjXhsiZotPuAhV1H7kGHcQVCSgQ_B16BAgcEAE#imgrc=HaKOaOdf97yCKM

https://pt.wikipedia.org/wiki/Loop_de_Barnard

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_de_%C3%93rion

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_escura

https://pt.wikipedia.org/wiki/Orion_(constela%C3%A7%C3%A3o)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Chama

 https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_1999

http://www.astropt.org/2015/03/18/as-nuvens-de-orion-o-cacador-apod/

http://www.astronoo.com/pt/constelacoes-inverno.html

http://www.astronoo.com/pt/artigos/tipos-nebulosas.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Eta_Aqu%C3%A1ridas

 


COLETÂNEA POÉTICA PALAVRA EM AÇÃO

Informações e Regulamento. 

Acesse:

http://drive.socialshare.top/ynzzirva

Contate: jornal.alecrim@gmail.com 

PARTICIPE.

Comentários

Postar um comentário