A Constelação de Órion - Episódio IV - Curiosidades e Lendas

Pirâmides de Gizé cujo a teoria de Bauval diz ter
correlação com as estrelas do cinto de Órion.
Foto - Divulgação
A teoria

A teoria da Correlação de Orion é uma hipótese em egiptologia cujo clamor central é que existe uma correlação entre a localização das três maiores pirâmides de Gizé e as três estrelas centrais da constelação de Orion, as Três Marias. Esta referida correlação é intencional e foi concebida quando da construção de tais pirâmides. De acordo com a versão desta teoria, poder-se-ia adicionar outras pirâmides para que o complexo construído (pirâmides) completasse a representação da referida constelação. O rio Nilo entra nesta história servindo de marcação da nossa Via Láctea. Bem, esta teoria foi apresentada pelo escritor belga Robert Bauval no ano de 1995, mas a galera egiptóloga detonou com tal teoria rejeitando-a.





Segundo a teoria, a posição geográfica das pirâmides do
Complexo de Gizé equivalem às estrelas do Cinturão de Orion.
Foto - Divulgação
A teoria de Bauval acabou virando documentários, entre estes destacam-se Great Pyramid: Gateway to the Stars (Grande Pirâmide: Portal para as Estrelas) idealizado e dirigido por Christopher Mann que foi lançado em 1995. Depois deste documentário, surgiu outro bem mais informativo lançado pelo diretor Ken Klein que transformou a teoria de Robert Bauval na trilogia intitulada The Great Pyramid Trilogy (A Trilogia da Grande Pirâmide). Tratava-se de um documentário contado em três episódios com a duração de 60 minutos cada, abordando a referida teoria, a saber: The Lost Legend of Enoch (A Lenda Perdida de Enoch), Message From the Stars (Mensagens das Estrelas) e Gateway to the Galaxy (Portal para a Galáxia). Não sei se estes documentários ainda estão por aí, mas, é muito provável que estejam. Seria bom conferir. Porém, esta teoria defendida por Robert Bauval é muito bem desmitificada numa reportagem no site e-farsa.com (link no final da reportagem). O que se sabe verdadeiramente é que Bauval não tinha formação em arqueologia ou astronomia, o cara era engenheiro de minas e acabou ganhando muito dinheiro com seu livro que se tornou um best-seller e outras “cositas” mais por conta de sua teoria descabida.

A Lenda

Fan arte de Poseidon, o deus dos mares - Foto - Divulgação
Bom. Algumas lendas são tão improváveis que chegam até ser engraçadas. É o caso da lenda que, segundo a mitologia grega, originou o nome da Constelação de Órion. Poseidon (deus grego do mar, dos terremotos, das tempestades e dos cavalos. Protetor das águas e auxiliar dos marinheiros, também era chamado de deus da fertilidade). O cara tinha o status de um dos governantes do mundo, dividindo este governo com Zeus e Hades e ainda era aclamado como Netuno, o deus dos mares pelos fãs romanos da época. Estava com tudo  e não estava prosa. O cara era tão importante que até a indústria cinematográfica o transformou em Aquaman (rs). Tinha mais filhos e filhas do que cria de coelho. Mas, era gente boa. Tanto era, que concedeu a um de seus filhos, o gigante Órion, o poder de nadar pelas profundezas dos mares ou caminhar sobre sua superfície. Porém, apesar dos poderes graciosamente presenteados, ele, o filho, prefere uma vida mais dura e se torna um caçador rude. Vai entender isso...


Órion Gravura de Uranometria de Johann Bayer 1603
Biblioteca do Observatório Naval dos Estados Unidos
Foto - Divulgação
Por suas andanças, conhece e se enamora pela bela Mérope (na mitologia grega, era uma das plêiades, juntamente com Electra, Maia, Tagete, Alcíone (não era a Alcione, nossa querida Marrom), Celeno e Astérope), filha do rei Eunápio ou Enopião ou Oenopion na ilha de Quio ou Quios. Bom, já começa mal esta lenda. Se Mérope era uma das deusas das plêiades, não poderia ser filha de um terráqueo, mesmo que fosse um rei. Detalhe, há várias versões para esta lenda e todas citam este rei com os nomes de Eunápio ou Enopião ou Oenopion que significa "cara de vinho" ou "o que bebe vinho"(imagina a cara do pé de cana...). Atribuem a ele "levar a arte de fazer vinha à ilha (Quios)". Seu pai era Dionísio ou Diodoro Sículo (que era filho de Radamanto na versão dos cretenses. Muito doido!) com uma sobrinha famosa da mitologia, a tal de Ariadne (o pai "papou" a própria sobrinha e ele cheio de marra para liberar a filha para o grandalhão Órion. Vai entender isso). Em fim... Segue a lenda... Sentindo que não poderia viver longe de sua amada, pede a mão da moça em casamento junto a seu pai. O tal rei, cheio de vinho na "caixola", fica meio assim, cheio de ciúmes, não estava muito a fim de conceder e impõe uma condição para ceder a mão da filha e o resto também. O grandalhão Órion teria que livrar a ilha de todas as feras que importunavam e atacavam o reino. Doideira, que feras eram essas? Naturalmente com esta imposição, o rei tinha certeza que o pretendente iria fracassar. Se deu mal o mané! Órion, todos os dias, trazia as feras mortas e depositavam-nas aos pés de sua amada para desespero do rei. Após limpar a ilha de todas as feras, fazer um guisado para população com as feras mortas, o apaixonado caçador cobra ao rei, entre um gole e outro, o cumprimento de sua palavra. Eunápio, pensou, pensou e desfaz suas palavras prometidas em acordo com o que seria seu futuro genro, negando o consentimento para o casório, atrapalhando a vida do casal apaixonado, detonando com o sonho dos amantes de viverem juntinhos e felizes para sempre. Disse não na frente do gigante. O cara não tinha medo de morrer ou era louco. Vai que o gigante lhe dá um cascudão?! Órion, grandalhão, fortão, dotado de super poderes aquáticos, mas que parecia não ter miolos, em vez de pedir ajuda ao seu pai, o Aquaman, não! Poseidon, sai da corte do rei magoado, triste, revoltado e foi curtir suas magoas num bar enchendo o pote. Cheio de cana na ideia, completamente bêbado, volta para o castelo. Dá até para imaginar a cena de um cara gigante, musculoso cambaleando, se apoiando nas paredes do castelo, cuspindo marimbondos para tudo quanto é lado. O gigante caçador entra no quarto de Mérope (talvez para dormir e curar a ressaca, mas a lenda descreve outra ação) e na marra, violenta a moça. O rei enfurecido, convoca o amigo Dionísio (ou pai), dão um outro porre(?!) no herói e quando o cara estava totalmente anestesiado pelo excessivo consumo de álcool, furam os olhos do caçador deixando-o mais cego do que antes. O cara já estava bêbado, mais pra lá do que pra cá, trocando as pernas e tropeçando, triste com o efeito da cana que não o deixou violentar ninguém. Precisava de outro porre e o pior, tinha que furar os “zoios” do grandalhão? Ahhhh! Mas tenha paciência! Como acreditar nisso?! Em fim...

Hefesto - deus da forja - Foto Divulgação
Resumindo. O ceguinho Órion sai por ali afora procurando pelo tal deus Hefesto (deus do fogo, dos metais, metalurgia e do trabalho na mitologia grega. Era também considerado deus pelos romanos com o nome de Vulcano). Epaaaa! Spock era de Vulcano, será que eles eram parentes Vejam que as atribuições profissionais ou de trabalho de Hefesto ou Vulcano, não figurava a medicina. Então, porque Órion procurou Hefesto? Acho que era o deus mais próximo, os outros estavam curando o porre diário com uvas, inclusive seu pai. Assim guiando-se pelos ruídos da forja do tal deus, o caçador cego o acha. Sentou diante do ferreiro, tomou uma e pediu ajuda. Órion devia ser muito desligado. Ele estava cego e foi procurar ajuda de um ferreiro? Tá bom... segue a história... O ferreiro Hefesto lhe orienta a ir até a morada do Sol. Órion, antes bêbado, agora cego, parecia que ia virar churrasco na tal morada do Sol. Mas, isso não aconteceu. Ao chegar lá, restabelece sua visão, curado ao entrar em contato com os raios do Sol. Se essa moda pega... Sei não...

Apolo Belvedere, Leocarés,
Museu do Vaticano
Muito bem! Visão restabelecida, o gigante passa a viver caçando com uma nova companheira (Caraca! esqueceu rapidinho a tal de Mérope!). Dessa vez, o filho de Poseidon, se enamora de Ártemis (deusa da caça, lua, vida selvagem e da castidade. (Castidade, é? Sei...). Se deu bem o gigante caçador, né? Que nada! O casal apaixonado vivia juntos caçando e namorando (não necessariamente nesta ordem) pelos paraísos afrodisíacos da Terra. Mas, sempre tem um ciumento, invejoso e fracassado para atrapalhar e estragar a felicidade alheia. Desta vez quem surge na história para ferrar com Órion é Apolo (deus do Sol, luz, oráculos, verdade, profecia, cura, doenças, música, poesia, arco e flecha, o iniciador dos jovens no mundo dos adultos, beleza masculina, perfeição, harmonia, equilíbrio, razão e blá, blá, blá... (ah tá! A conduta dele no episódio não conduz com esses atributos todos!). Esse “zé arruela”, irmão da belíssima Ártemis, ordena ao seu bichinho de estimação, um escorpião gigante, forte e feio pra dedel, chamado Escorpião Celestial, que mate o amado de sua irmã. Mas, Órion, caçador esperto, filho de um deus que respirava em baixo d`água e afundava navios, pensou: Vou deitar e rolar. Vou comer frutos do mar no jantar. Senhor de si, partiu pra dentro do bicho gigante e ganhou uma surra que o nocauteou no 1º round. Vendo que não dava pra encarar, lembrou das antigas habilidades que o pai lhe dotara e meteu o pé, fugindo a nado ou correndo por cima da água rapidinho.


Órion e o Escorpião Celestial - Portal dos Mundos
Foto - Divulgação
Apolo, mesmo sabendo que o tal escorpião tinha levado a melhor, não ficou satisfeito. Ele queria o cara morto e não fugindo. Malandramente, vai até a casa de sua irmã, a encontra em seus aposentos tirando uma pestana após a aplicação de uma máscara facial para cuidar de sua beleza, sem saber do ocorrido. Apolo depois de levar um  susto ao ver a cara da irmã com a tal máscara facial em tom verde pensando que se tratava do Hulk. Faz o sinal da cruz se refazendo e retoma a direção de sua ardilosa tramóia. Joga-lhe uma letra sobre sua pontaria e destreza com o arco, a
trouxe cai na lábia e vai para a beira do mar tentar acertar o tal ponto que nadava ainda em sua fuga, dedurado por Apolo sem dizer quem era. A menina, ajeita os cabelos e decote da blusa, mete um sorriso sensual na cara, aponta sua flecha e atinge em cheio o alvo. De repente, ela vê flutuando o corpo grandalhão e musculoso de seu amado sem vida sobre as ondas do mar. Apolo saca o lance e se manda abandonando a irmã com a culpa e a perda do amado. Quando o corpo chega na praia, Ártemis constata que o cara estava mortinho e que sua pontaria era infalível, pois acertou o cabeção do grandalhão, sem chance de sobrevivência. Se deu mal o herói.


Ártemis deusa da caça, lua, vida selvagem
 e da castidade -  Museu do Luvre 
Foto Divulgação
Desesperada, Ártemis corre para onde ficava a maioria dos deuses só comendo uvas, tomando vinho e azucrinando a vida dos terráqueos. A bela ajoelha-se e implora para o bando que transforme seu amado em constelação para que o admirasse pela eternidade. Engraçado que ela não pediu que o restituíssem a vida e, onde estava Poseidon na época? Mas, pedido feito, pedido concedido. Órion transformou-se na constelação que carrega seu nome, juntamente com seu cinto, uma espada, a pele de leão que carregava, uma clava, juntinho de Sirius, seu cão. Não faltou nadinha. Lá do céu, com cara de trouxa, passou a ver sua “ex” namorando outros caras e aprontando geral com seu arco e flecha. Ainda dizem que Ártemis era a deusa da castidade entre outros atributos. Tá bom... Assim nasceu a Constelação de Órion... Eu einnn, sei não! A galera não economizava na dramatização... Então, foi assim. Vocês acreditam? Nem Eu...



Mural no Palazzo Farnese

Depois da teoria furada sobre a correlação entre Órion e as pirâmides de Gizé e da lenda mais furada ainda sobre a origem do nome dado a Constelação de Órion, voltaremos a falar sobre esta belíssima  constelação no próximo episódio (o final). Desta vez será sobre algo real sem lendas. Trata-se da provável explosão da estrela Betelgeuse (Estrela que forma o quadrilátero brilhante em torno das Três Marias) que tem seus dias, aparentemente, contados. Vamos buscar informações que desmitificarão o caso. Vamos buscar verdades ou denunciar mentiras para a recente afirmação das mídias internacionais.  Não percam...









https://www.horoscopovirtual.com.br/artigos/deus-hefesto

 https://www.hipercultura.com/poseidon-historia-e-fatos/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria_da_correla%C3%A7%C3%A3o_de_Orion

https://www.e-farsas.com/foto-das-piramides-de-gize-alinhadas-com-o-cinturao-de-orion-e-verdadeira-ou-falsa.html

 


 


COLETÂNEA POÉTICA PALAVRA EM AÇÃO

Informações e Regulamento. Contate: jornal.alecrim@gmail.com

PARTICIPE.

Comentários

Postar um comentário